Utopias/distopias e heterotopias em dispositivos de design: reflexão metaprojetual sobre Casas Colaborativas

Claudia Palma da Silva, Ione Maria Ghislene Bentz, Carlo Franzato

Resumo


Este artigo propõe uma abordagem metodológica aplicável aos estudos de design que se apropriam de espaços compreendidos como heterotópicos. Para isso, o potencial dos conceitos de utopia/distopia é explorado nos processos de design estratégico para a inovação sociocultural e sustentabilidade. A reflexão, de caráter metaprojetual, é orientada pelas formulações estratégicas que Foucault desenvolve, ao desdobrar o conceito de dispositivo. Concentra-se, especialmente, sobre as iniciativas denominadas Casas Colaborativas que, nessa década, emergiram às margens dos ecossistemas culturais brasileiros, logo ganhando relevância. As práticas heterotópicas, orientadas pelas utopias/distopias, são elaboradas pelos coletivos criativos que convivem nessas casas, e representam descontinuidades nos modos de pensar e agir em espaços urbanos. Daí resultam dispositivos de design oriundos de processos de imaginação, criação e projetação, alternativos aos dominantes, e pautados por outras concepções de bem-estar.


Palavras-chave


Utopias, Heterotopias, Distopias, Dispositivos, Casas Colaborativas, Inovação Sociocultural, Metaprojeto

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.35522/eed.v27i3.779

Apontamentos

  • Não há apontamentos.