Seis eixos para uma filosofia do design

Marcos Beccari, Daniel B. Portugal, Stephania Padovani

Resumo


Este artigo apresenta uma proposta de organização de aspectos filosóficos do Design, por meio de seis eixos de reflexão. Nosso intuito é fornecer subsídios a uma Filosofia do Design que prescinda de modelos teóricos unificados. Em um primeiro momento, assumimos uma posição de afastamento em relação a propostas já existentes no âmbito da filosofia do design, em especial aquelas de cunho analítico, prescritivo e totalizante. Em seguida, apresentamos a proposta de uma filosofia do design multiplicadora, e os seis eixos reflexivos a ela relacionados são delineados. Por fim, apontamos algumas questões e propostas relevantes para cada eixo, recorrendo a referenciais que julgamos pertinentes. A ideia geral, portanto, é a de promover, por meio dos seis eixos, reflexões em design visualizadas a partir de diferentes ângulos filosóficos.


Palavras-chave


Filosofia do Design, Perspectiva Humanística, articulação criativa.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, R. de. O mundo, o homem e suas obras: filosofia trágica e pedagogia da escolha. Tese de livre-docência. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2015.

BARTHES, R. A semântica dos objetos. In: ____. A aventura semiológica. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BAUDRILLARD, J. O sistema dos objetos. São Paulo, Perspectiva, 2008.

BECCARI, M. Articulações simbólicas: uma nova filosofia do design. Teresópolis: 2ab, 2016.

BECCARI, M.; ALMEIDA, R. A função contemporânea da "autoria" enquanto mediação simbólica. Interdisciplinar: Revista de Estudos em Língua e Literatura, v. 21, 2014, p. 145-162.

BONSIEPE, G. Design, cultura e sociedade. São Paulo: Blucher, 2011.

BUCHANAN, R. Wicked problems in design thinking. Design Issues, v. 8, n. 2, 1992.

______. Rhetoric, Humanism, and Design. In: Buchanan, R.; Margolin, V. [Pub.] Discovering Design: Explorations in Design Studies. Chicago: University of Chicago Press, 1995, p. 23-68

DELEUZE, G. O que é o ato de criação?. In: DUARTE, R. (org.). O belo autônomo: textos clássicos de estética. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

FANN, K. Peirce’s theory of abduction. The Hague: Martinus Nijhoff, 1970.

FRIEDMAN, K. Design Knowledge: Context, Content and Continuity. In: DURLING, D.; FRIEDMAN, K. (eds.) Proceedings of the Conference Doctoral Education in Design: Foundations for the Future. Staff ordshire University Press, U.K., 2000.

______. Theory construction in design research: criteria: approaches and methods. Design Studies, v. 24, 2003, p. 507-522.

GALLE, P. Philosophy of design: an editorial introduction. Design Studies, v. 23, n. 3, 2002, p. 211-218.

______. Candidate worldviews for design theory. In: Design Studies, v. 29, n. 3, 2008, p. 267-303.

LAROSSA, J. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascarados. Trad. Alfredo Veiga-Neto. Belo Horizonte: Autêntica, 2010

LATOUR, B. Um Prometeu cauteloso? Alguns passos rumo a uma filosofia do design (com especial atenção a Peter Slotedijk). Agitprop: revista brasileira de design, São Paulo, v. 6, n. 58, jul./ago. 2014.

LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LOVE, T. Philosophy of Design: A Meta-theoretical Structure for Design Theory. Design Studies, v. 21, 2000, p. 293-313.

______. Constructing a coherent cross-disciplinary body of theory about designing and designs: some philosophical issues. Design Studies, v. 23, 2002, p. 345–361.

MERLEAU-PONTY, M. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 1992.

MITCHELL, W. J. T. What do pictures want?: the lives and loves of images. Chicago: University Of Chicago Press, 2005.

MONAT, A. S.; CAMPOS, J. L. de; LIMA, R. C. Metaconhecimento: Um esboço para o design e seu conhecimento próprio. BOCC – Biblioteca On-line de Ciências da Comunicação, v. 03, p. 01-12, 2008.

NIETZSCHE, F. Genealogia da moral. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

______. Crepúsculo dos ídolos: ou como se filosofa com o martelo. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

PORTUGAL, D. B. A vinculação entre humanos e imagens nas dinâmicas contemporâneas do consumo: totemismo, fetichismo e idolatria. Estudos em Design, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 1-18, 2011.

ROCHA, E. Magia e capitalismo: um estudo antropológico da publicidade. São Paulo: Brasiliense, 2010.

SPINOZA, B. Ética, livro I. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

TAYLOR, C. As fontes do self: a construção da identidade moderna. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2005.

WEBER, M. Conceitos sociológicos fundamentais. Covilhã: LusoSofia, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.