Diretrizes de Projeto de Família Tipográfica para Notações de Engenharia

Carlo Alessandro Zanetti Pece, Stephania Padovani, Solange Galvão Coutinho, Sérgio Frascino Müller de Almeida

Resumo


Neste estudo propomos diretrizes de projeto para uma família tipográfica destinada a notações de engenharia. Inicialmente, estabelecemos os fatores gerais de legibilidade pertinentes ao sistema alvo, os quais são posteriormente utilizados como fundamento na análise de diferentes famílias tipográficas aplicadas a uma fórmula de engenharia padrão. Como resultado dessa análise, sugerimos um conjunto de diretrizes projetuais específico ao sistema informacional estudado.


Palavras-chave


notação de engenharia, diretrizes, tipografia.

Texto completo:

PDF

Referências


BIGGS, J. R. Basic Typography. London: Faber and Faber, 1968.

BLOSTEIN, D.; GRBAVEC, A. Recognition of mathematical notation. In

Handbook on Optical Recognition and Document Image Analysis. World

Scientific Publishing Company, 1996. p. 01-26.

BRINGHURST, R. Elementos do estilo tipográfico. São Paulo: Cosac Naify,

CHEN, K.; OWEN, C. L. Form language and style description. Design

Studies, 18, 1997. p. 249-274.

DOYLE, J. R.; BOTTOMLEY, P. A. Font appropriateness and brand

choice. Journal of Business Research, 57, 2004. p. 873– 880.

FARIAS, P. L. Tipografia digital: o impacto das novas tecnologias. Rio de

Janeiro: 2AB, 2000.

GIL, V. A revolução dos tipos. São Paulo: Gráfica e Editora Aquarela, 1999.

GRIBBONS, W. M. Information Design: A Human Factors Approach To A

New Typography. In Proceedings of the International Professional

Communication Conference, 1993. p. 17-23.

GUIMARÃES, L. B. M. Detecção e percepção de sinais. In Ergonomia

cognitiva. Porto Alegre: FEENG, 2004. p. 3 – 3.36.

LUPTON, E. Mixing messages: Graphic design in contemporary culture. New York: Princeton Architectural Press, 1996.

LUPTON, E. Pensar com Tipos: guia para designers, escritores, editores e

estudantes. Tradução André Stolarski. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

MACKIEWICZ, J.; MOELLER, R. Why People Perceive Typefaces to Have

Different Personalities. In Proceedings of the IEEE Conference 04, 2004.

p. 304-313.

MCLEAN, R. The Thames and Hudson manual of Typography. Londres:

Thames & Hudson, 1980.

MORAES, A. de; BALSTER, M.; HERZOG, P. Legibilidade das famílias

tipográficas. In Anais do P&D Design 96. Rio de Janeiro: Estudos em

Design, 1996. p. 07-21.

PECE, C. A. Z. An engineering vector-like approach to attitude kinematics and nominal attitude state tracking control. Tese de Doutorado (Mecatrônica e Dinâmica de Sistemas Aeroespaciais), ITA, Brasil, 2002.

PECE, C. A. Z.; PADOVANI, S.; ALMEIDA, S. F. M. de. Aplicação de

Princípios da Ergonomia Informacional ao Desenvolvimento de uma

Notação de Engenharia: Estudo Preliminar. In: Anais do ABERGO 2004.

Recife: ABERGO – BR, 2004. CR-ROM.

PECE, C. A. Z.; PADOVANI, S.; e ALMEIDA, S. F. M. de. Critérios para

avaliação de notações de engenharia fundamentados em princípios do

design da informação: estudo preliminar. In: Revista Brasileira de Design

da Informação, v. 2, n.1, 2005. p. 9-16.

PECE, C. A. Z.; PADOVANI, S.; ALMEIDA, S. F. M. e MAIA, R. A.

Avaliação de notações de engenharia: uma abordagem ergonômica. In:

Anais do IV Ergodesign - Congresso Internacional de Ergonomia e

Usabilidade de Interfaces Humano-Tecnologia: Produtos, Programas,

Informação, Ambiente Construído. Bauru: UNESP, 2006. CD-ROM.

PECE, C. A. Z., PADOVANI, S., ALMEIDA, S. F. M. Análise de contexto de

uso de notações de engenharia In: Anais do III Congresso Internacional de Design da Informação. São Paulo: SBDI, Sociedade Brasileira de Design da Informação, 2007. CD-ROM.

PHEASANT, S. Ergonomics standards and guidelines for designers. London: BSI Standards, 1987.

POOLE, A. Literature Review: Which Are More Legible: Serif or Sans Serif

Typefaces? In: Alex Poole – interaction design and research. Disponível

em: http://www.alexpoole.info/academic/literaturereview.html. Acesso

em: 29/01/2008.

PRINCE, J. H. Printing for the visually handicapped. In: The Journal of

Typographic Research, v.1, 1967.

SANDERS, M. S. e McCORMICK, E. J. Human Factors in Engineering and

Design. New York: McGraw-Hill, 1993.

SOUSA, M. Guia de Tipos. (2002). Disponível em:

http://guiadetipos.go.online.pt/. Acesso em: 15.05.2006.

TANTILLO, J.; LORENZO, J. D.; MATHISEN, R. E. Quantifying Perceived

Differences in Type Styles: An Exploratory Study. Psychology &

Marketing, vol. 12, no. 5, 1995. p. 447-458.

THANGARAJ, J. Fascinating fonts: Is the power of typography a marketing

myth? PRism 2, 2004. Disponível em: http://praxis.massey.ac.nz. Acesso

em: 29/01/08.

TINKER, M, A. Legibility of print. Cambridge: University Press, 1963.

TINKER, M. A. Bases for effective reading. Chicago: University of Chicago

Press, 1965.

TWYMAN, M. L. Articulating graphic language: a historical perspective in

Merald E. Wrolstad & Dennis F. Fisher (Ed.s), Towards a new

understanding of literacy. Nova York: Praeger Special Studies, 1981,

p.188-251.

WALKER, Sue. The songs the letters sing: typography and children’s reading.

Reading, UK: Reading National Centre for Language and Literacy, 2005.

WATTS, L.; NISBET, J. Legibility in Children’s Books: a review of Research. Londres: NFER Publishing Company Ltd, 1974.

WEINGART, W. Entrevista por Priscila Farias. In Tipografia digital: o

impacto das novas tecnologias. Rio de Janeiro: 2AB, 2000. p. 91-94.




DOI: https://doi.org/10.35522/eed.v16i2.28

Apontamentos

  • Não há apontamentos.