A origem do pensamento criativo

Valeria Portugal

Resumo


Ser criativo pode ser considerado um grande talento, um atributo muitas vezes considerado pertencente apenas aos gênios e grandes artistas.  Mas ser criativo também auxilia o indivíduo a resolver questões diversas, sejam elas de cunho pessoal ou relacionadas ao cotidiano, e destaca o profissional, submetido aos desafios de resultados inovadoras,  na produção de trabalhos diferenciados.  Portanto parece ser relevante encontrar a fonte desse grande manancial de novas e significativas ideias.  Ao se conseguir identificar marcadores específicos de um pensamento criativo, ou insight, talvez seja possível encontrar ferramentas que facilitem o acesso a ele. A proposta deste trabalho consiste em mostrar os modelos cognitivos e fisiológicos identificados pela ciência que indicam a origem do insight, e correlacioná-lo a um estado diferenciado de consciência, a consciência transcendental, que pode ser considerado um estado diferenciado de vigília, sono e sonho e, portanto, com seus pró-pros identificadores psicológicos e fisiológicos. O estado de consciência transcendental pode ser considerado o estado de onde surge o pensamento criativo já que o funcionamento cerebral é o mesmo.  O acesso a este estado requer a orientação da atenção para dentro, ou seja, a mente precisa mergulhar nela própria, e precisa acontecer de forma espontânea, quer dizer sem esforço cognitivo. O uso de uma ferramenta sistemática que utiliza esses dois quesitos pode proporcionar o acesso a este estado de forma regular e possibilitar o aumento de criatividade no indivíduo. Este artigo pretende mostrar as correlações entre um estado específico de consciência e a origem do pensamento criativo e apresentar uma técnica mental que permita ao indivíduo acessar esse estado de consciência, a transcendência, de forma sistemática, para que ele possa fazer melhor uso de seu potencial interno.

 




DOI: https://doi.org/10.35522/eed.v25i1.739

Apontamentos

  • Não há apontamentos.