Design versus Artesanato: Identidades e Contrastes

Haroldo Coltri Eguchi, Olympio José Pinheiro

Resumo


Percebem‐se pelo menos três visões distintas sobre a origem do design, sendo mais difundida a que situa seu inicio com a Revolução Industrial. Há quem veja o design como herdeiro de um artesanato às vésperas dessa Revolução que já contava com projeto e divisão do trabalho incipientes. Menos difundida é a idéia de que não há diferença tão significativa entre design e artesanato e, portanto, contaria com milênios de história. Supondo o designer herdeiro desta tradição milenar, não seria hora de voltar a reconciliá-lo com o artesanato? Não caberia voltar a defender o resgate de conceitos de projeto anteriores ao modernismo?

Palavras-chave


design e estética; design e cultura; design, arte e tecnologia.

Texto completo:

PDF

Referências


BONSIEPE, Gui. Teoría y práctica del diseño industrial. Barcelona: Gustavo Gili, 1978.

BOSONI, Giampiero. il Modo Italiano; Italian Design and Avant-garde in the 20th Century. Torino: Skira Editore S.p.A., 2006.

BRANZI, Andréa. Learning from Milan; Design an the Second Modernity. Cambridge: MIT Press Edition, 1988.

BÜRDEK, Bernhard E. História, teoria e prática do design de produtos. São Paulo: Edgard Blücher, 2006.

DE FUSCO, Renato. Historia del diseño. Barcelona: Santa & Cole, 2005.

DENIS, Rafael Cardoso. Uma introdução à história do design. São Paulo: Edgard Blücher, 2000.

DROSTE, Magdalena. Bauhaus Archiv. Köln: Taschen, 2006.

FLUSSER, Vilém. Filosofia del diseño. Madrid: Editorial Síntesis, 2002.

FLUSSER, Vilém. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

GROPIUS, Walter. Manifesto Bauhaus. In: ArketektUrbo, 2008

(http://www.arkitekturbo.arq.br/bauhaus_manifesto_por.html).

GUIDOT, Raymond. Histoire du design de 1940 à nos jours. Paris: Éditions Hazan, 2004.

LACOSTE, Jean. A Filosofia da Arte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1986.

LALANDE, André. Vocabulário Técnico e Crítico da Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O Pensamento Selvagem. Campinas: Papirus, 2007.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Merleau-Ponty. São Paulo: Abril Cultural, 1980 (Coleção “Os Pensadores”).

OLIVEIRA, Rosimery de Fátima. Experiência Brasileira SENAI. In: CINTERFOR, 2008.

(http://www.cinterfor.org.uy/public/spanish/region/ampro/cinterfor/newsroom/conf/rio/pon/oliveir/index.htm).

PEVSNER, Nikolaus. Os Pioneiros do Desenho Moderno. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

PINHEIRO, Olympio. História em Cacos; Memorial do Azulejo Colonial no Brasil. São Paulo: FFLCH - USP, 1991. vol. 1.

PINHEIRO, Olympio. A aura e seus avatares: do azulejo colonial à tecno-imagem. In: Pesquisa em Artes Plásticas. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS/ANPAP, 1993.

PINHEIRO, Olympio. A Encruzilhada de Janus Bifrons: Arte, Ciência e Tecnologia na contemporaneidade. In: Anais do 16º. Congresso da ANPAP. Florianópolis: ANPAP, 2007.

WOLFE, Tom. From Bauhaus to our house. New York: Farrar, Straus and Giroux, 1981.




DOI: https://doi.org/10.35522/eed.v18i2.58

Apontamentos

  • Não há apontamentos.