Desafios financeiros: design de jogo de educação financeira para as escolas públicas

Flávia de Oliveira Carvalho, Ricardo Ramos Fragelli, Tiago Barros Ponte e Silva

Resumo


Este artigo propõe o jogo colaborativo Desafios Financeiros como material pedagógico para as escolas públicas de Ensino Médio brasileiro, visando contribuir para que os jovens na faixa etária entre 14 e 18 anos, que frequentam esta modalidade de ensino, tenham uma formação crítica e que aprendam a administrar seus conhecimentos para uma vida financeira saudável, tornando-se cidadãos conscientes. Além da concepção do jogo colaborativo, foram empregados diferentes métodos para a sua avaliação, como: aplicação de questionário, observação, depoimentos escritos e gravados de alunos e professores de uma escola pública do DF, aplicados para se compreender o seu potencial no contexto de ensino de Educação Financeira nas escolas públicas de todo o Brasil. Os resultados apontam que o jogo pode contribuir efetivamente para o processo de aprendizagem dos alunos como material complementar à disciplina quando usado em sala de aula, ou mesmo aplicado de maneira independente em outros contextos.


Palavras-chave


Educação financeira, Jogossérios, Design de jogos.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Estratégia Nacional de Educação Financeira – Plano Diretor da ENEF. 2011. Disponível em: http://www.vidaedinheiro.gov.br/. Acesso em: novembro de 2011.

BOTELHO, Luiz. Jogos educacionais aplicados ao e-learning. 2015.

BORIN, J. Jogos e resolução de problemas: uma estratégia para o ensino de matemática. São Paulo: CAEM - IME-USP, 1995.

BROTTO, F. O. Jogos Cooperativos: Para jogar uns com os outros e vencer... juntos!. Espaço: informativo técnico-científico do INES, Rio de Janeiro, p. 79 - 81, 01 jun. 2000.

CHEN, J. Flow in Games. Dissertação (Mestrado) - University of Southern California. Los Angeles, 2006.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Flow: the Psychology of Optimal Experience. Harper Perennial, 1990.

DESIGN COUNCIL. A study of the design process – The Double Diamond. 2005. http://www.designcouncil.org.uk/sites/default/files/asset/document/ElevenLessons_Design_Council (2).pdf. Acessado em abril de 2016.

FRAGELLI, R. R., MENDES, F. M. Batalha Naval dos Extremos Locais: Jogos de Aprendizagem para o Ensino dos Cálculos. In: PAEE’2011- Third International Symposium on Project Approaches in Engineering Education (PAEE,Lisboa, 2011): Aligning Engineering Education with Engineering Challenges v. 1. p. 91-97

GUZMAN, O. M. Para Pensar Mejor. Madri: Pirâmide, 2006.

HUIZINGA, J. Homo Ludens:A Study of the Play Element in Culture. Beacon Press, 1955.

HUNICKE, R.; LEBLANC, M.; ZUBEK, R. MDA: A Formal Approach to Game Design and Game Research. Proceedings of the Challenges in Games AI Workshop, Nineteenth National Conference on Artificial Intelligence.San Jose, CA, 2004.

LAAL, Marjan; LAAL, mozhgan. Collaborative learning: what is it? Procedia –Social andBehavioralSciences. Vol. 3, pag.491-495. Tehran: Iran, 2012.

LARA, Isabel Cristina Machado de. Jogando com a Matemática de 5ª a 8ª série. São Paulo: Rêspel, 2003.

MCGONIGAL, J. Reality is broken. Why games makes us better and how they can change the world.New York, NY: The Penguin Press, 2011.

MICHAEL, D., CHEN, S. Serious Games: Games That Educate, Train, and Inform. Course Technology PTR, 2006.

MOUAHEB, Houda; FAHLI, Ahmed; MOUSSETAD, Mohammed; ELJAMALI, Said. The Serious Game: What Educational Benefits? Procedia - Social and Behavioral Sciences, vol. 46, pg. 5502-5508. Casablanca:Marrocos, 2012.

MURPHY, C.; LICK, D. Whole faculty study groups: A powerful way to change schools and enhance learning. Califórnia: Corwin, 1998.

RABIN, S. Introduction to Game Development.Charles River Media, 2005.

RADE, A. V. Contribuição de jogos como um recurso didático nas aulas de Matemática Financeira. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática), PUCRS, 2010.

RITTERFELD, Ute; CODY, Michael; VORDERER, Peter. Introduction. In Ute Ritterfeld, Michael Cody, and Peter Vorderer, editors, Serious Games: Mechanisms and Effects. Routledge, 2009.

SALEN, Katie; ZIMMERMAN, Eric. Rules of play: game design fundamentals. Cambridge: MIT Press, 2004.

SANTOS, Giovana Lavinia da Cunha; SANTOS, Cesar Sátiro dos. Rico oupobre: uma questão de educação. Campinas: Armazém do Ipê (Autores Associados), 2005.

SAVI, Rafael. Avaliação de jogos voltados para a disseminação do conhecimento. Tese (Doutorado). Engenharia e gestão do conhecimento. Universidade Federal de Santa Catarina. 2011.

SCHELL, J. The Art of Game Design: A Book of Lenses. Morgan Kaufmann, 2008.

SILVA, T. B. P. A cognição no processo de design. Revista Brasileira de Design da Informação - Infodesign, v. 12, n. 3, p. 318 – 335. São Paulo: 2015.

VYGOTSKY, L. S. O desenvolvimento psicológico na infância. São Paulo: MartinsFontes, 1984.

TAKATALO, J.; HÄKKINEN, J.; KAISTINEN, J.; NYMAN, G. Presence, Involvement, and Flow in Digital Games. In: BERNHAUPT, R. Evaluating User Experience in Games: Concepts and Methods.Springer, 2010, p, 23-46.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.