Do desenho industrial ao design social: políticas públicas para a diversidade cultural como objeto de design

Márcia Bergmann, Cláudio Magalhães

Resumo


Explorar relações dialógicas entre design - no âmbito de inovações sociais e políticas públicas – e diversidade cultural é o objetivo deste artigo. O estudo é sustentado por revisão bibliográfica no campo do Design, bem como no campo dos Estudos Culturais. Está estruturado em três partes: pluralidade de abordagens do design e inclusão de políticas públicas na sua zona de interesse; panorama da diversidade cultural, seu caráter ainda aspiracional e interfaces com subáreas do design; comparação entre políticas públicas de design e design para políticas públicas. O estudo oferece insights sobre o perfil incipiente das relações entre os conceitos-chave. Mas, aponta para aspectos positivos ao se estabelecer uma conexão efetiva entre eles em prol da diversidade e evidencia que a inclusão do design no pensamento estratégico do sistema que apoia a cultura demanda orientação para governança flexível, para processos criativos compartilhados e para práticas cidadãs comprometidas com o “espirito do comum

Palavras-chave


Design social, Diversidade cultural, Políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ARMSTRONG, L., et al. Social design futures: HEI Research and the AHRC, University of Brighton, 2014. Disponível em:https://mappingsocialdesign.files.wordpress.com/2014/10/social-design-futures-report.pdf. Acesso em: 16 maio 2015.

BRASIL. MDIC – Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Diagnóstico do Design Brasileiro. Brasília: MDIC, 2014.

BRASIL. MinC – Ministério da Cultura. Aspectos Gerais e Regimentais da Comissão Nacional de Incentivo à cultura (CNIC), 2013. Disponível em:< http://www.abdl.com.br/UserFiles/206_CNIC.pdf>. Acesso em: 23 maio 2016.

BRASIL. MinC – Ministério da Cultura. Brasil 2016. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 20016.

BRASIL. MinC – Ministério da Cultura. Plano Nacional de Cultura. Brasília: MINC, 2014. Disponível em:. Acesso em: 15 maio 2016.

BRASIL. MPOG – Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Laboratório de inovação em governo. Brasília: MPOG, 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 maio 2017.

CARDOSO, E. et al. O papel do design(er) nas políticas públicas culturais. 11º P&D, Número 4, Volume 1, 2014. Disponível em:< www.proceedings.blucher.com.br/evento/11ped>. Acesso em: 14 maio 2016.

CHEN, D. S., et al. Social Design: an Introduction. International Journal of Design, Vol. 10 No. 1, 2016. Disponível em: . Acesso em 23 maio 2016.

CIPOLLA, C.; BARTHOLO, R. Empathy or inclusion: a dialogical approach to socially responsible design. International Journal of Design, Vol. 8 No. 2, 87-100, 2014.

COMITÊ OLÍMPICO BRASILEIRO (COB). Rio 2016. Disponível em: < https://www.rio2016.com/>. Acesso em: 16 maio 2016.

COOPER, R., et al. The handbook of design management. New York: Berg, 2011.

CRILLY, N. et al. Representing artefacts as media: modelling the relationship between designer intent and consumer experience. International Journal of Design, Vol. 2 No. 3, 2008.

CROSS, N. Design thinking: understanding how designers think and work. London: Bloomsbury, 2011.

DAMAZIO, V. Emotional Design. In: The Bloomsbury Encyclopedia of Design. London: Bloomsbury, 2015.

DE MASI, D. 2025: caminhos da cultura no Brasil. Rio de Janeiro: Sextante, 2015.

DEPARTMENT FOR COMMUNICATIONS OF FINLAND (DCF). Disponível em: < https://finland.fi/arts-culture/city-of-helsinki-among-the-first-in-the-world-to-hire-chief-design-officer/>. Acesso em: 16 maio 2016.

DESIGN COUNCIL. Design for Public Good. 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2016.

GUTIÉRREZ, B. Do comum às redes. In: Revista Observatório Itaú Cultural, n. 20. São Paulo: Itaú Cultural, 2016.

Guzmán, T. D. Direitos indígenas e diversidade cultural: em busca de um diálogo transcontinental. In: Revista Observatório Itaú Cultural, n. 20. São Paulo: Itaú Cultural, 2016.

JANZER, C. L.; WEINSTEIN, L. Social Design and Neocolonialism, Design and Culture: The Journal of the Design Studies Forum, Vol. 6 No. 3, 327-343, 2014. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.2752/175613114X14105155617429>. Acesso em: 20 maio 2016.

MAFFEI, S. et al. Making Design Policies Together. 10th European Academy of Design Conference - Crafting the Future, 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2016.

MAGALHÃES, C. F. A prática reflexiva no design estratégico: fundamentos do design para uma indústria criativa. In:COUTO, R. M. S. Formas do design: por uma metodologia multidisciplinar. Rio de Janeiro: Rio Books, 2014.

MANZINI, E. Design para a inovação social e sustentabilidade: comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais. Tradução: Carla Cipolla. Rio de Janeiro: E-papers, 2008.

MARTÍN-BARBERO, J. A amplitude da fala será a realização da diversidade tão desejada desde os anos 1980? Entrevista a George Yúdice e Omar Rincón. In: Revista Observatório Itaú Cultural, n. 20. São Paulo: Itaú Cultural, 2016.

McCRACKEN, G. Cultura e Consumo: novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e das atividades de consumo. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

NOGUEIRA, M. V. F.; CORREIA, H. As regras da casa em laços recíprocos. In: Revista Observatório Itaú Cultural, n. 20. São Paulo: Itaú Cultural, 2016.

NORMAN, D. Design Emocional: porque adoramos (ou detestamos) objetos do dia a dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

NORMAN, D. O Design do Dia-a-dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.

OPENPOLICY. Design in policy making. Londres: 2015. Disponível em: . Acesso em: 17 abril 2016.

PATROCÍNIO, G. Bienal de design: para quem? 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2016.

PATROCÍNIO, G. Políticas de design. Revista Pensar Verde, Fundação Verde Herbert Daniel, n. 16, ano 4, mar./abr./maio, 2016. Disponível em: < http://www.politicasdedesign.com/>. Acesso em: 13 maio 2016.

PATROCÍNIO, G. Políticas públicas de design no Brasil, 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2016.

PATROCÍNIO, G.; NUNES, J. M. Design & Desenvolvimento: 40 Anos Depois. São Paulo: Blucher, 2015.

PRESS, M.; COOPER, R. The design experience: the role of design and designers in the twenty-first century. Urlington: Ashgate, 2003.

SALLES, E. O acontecimento do funk. In: Revista Observatório Itaú Cultural, n. 20. São Paulo: Itaú Cultural, 2016.

SANTA CATARINA (Estado). Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável. Laboratório de Inovação em Governo, 2016. Disponível em: < http://http://www.wegov.net.br/agenda/laboratorios-de-inovacao-em-governo/>. Acesso em: 22 maio 2017.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado de Planejamento. Laboratório de Inovação em Governo, 2017. Disponível em: < http:// http://igovlab.org/sp/>. Acesso em: 22 maio 2017.

SÃO PAULO (Município). Prefeitura da Cidade de São Paulo. Laboratório de Mobilidade Urbana, 2015. Disponível em: < http://www.mobilab.prefeitura.sp.gov.br>. Acesso em: 22 maio 2017.

SMITH, R. C. et al. Design Anthropological Futures. London: Bloomsbury Publishing, 2016.

UK. DESIGN COUNCIL - Design for Public Good. London: Design Council, 2013. http://www.designcouncil.org.uk>. Acesso em: 16 maio 2016.

UNESCO. Understanding creative industries. 2006. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2016.

UNESCO. Universal Declaration on Cultural Diversity, 2002 Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001271/127162e.pdf . Acesso em: 16 maio 2016.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Laboratórhttp://www5.usp.br/tag/laboratorio-de-inovacao-em-governo/>. Acesso em: 22 maio 2017.

VAN CAMP, F. Design para todos. In: Bienal Brasileira de Design. Florianópolis: Blucher, 2015.

YÚDICE, G. Economia da Cultura no Marco da Proteção e Promoção da Diversidade Cultural. Seminário Internacional da Diversidade Cultural, Ministério da Cultura do Brasil, Brasília, 2007. Disponível em:< http://works.bepress.com/george_yudice/4/>. Acesso em: 14 maio 2016.

YÚDICE, G. Os desafios do novo cenário midiático para as políticas públicas. In: Revista Observatório Itaú Cultural, n. 20 (jan/jun 2016). São Paulo: Itaú Cultural, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.