Contribuição do Grupo Focal à pesquisa e ao processo de design da informação: percepção dos usuários sobre artefatos impressos de DST/Aids

Ranielder Fábio de Freitas, Hans da Nóbrega Waechter, Solange Galvão Coutinho, Fabiane do Amaral Gubert, Fabiele do Amaral Beck

Resumo


O Grupo Focal consiste em uma técnica de coleta de dados que pode ser aplicada no processo de design, incluindo pesquisas na área, e tem o intuito de desvelar informações importantes sobre a relação de determinado artefato ou elementos que o compõe, junto a um grupo de sujeitos. O presente artigo tem como objetivo descrever a adaptação da técnica do Grupo Focal, no processo de design da informação, e apresentar os benefícios da utilização desta para a pesquisa, no contexto dos materiais impressos para prevenção das DSTs/Aids. O uso do Grupo Focal permitiu a aproximação com os sujeitos envolvidos, revelando a percepção destes em relação à compreensão de elementos verbo-visuais presentes em artefatos impressos na área da saúde, o que contribui diretamente para o processo de design da informação.


Palavras-chave


Design da Informação; Processo de Design; Grupo Focal

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Conselho Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução nº 466 de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas reguladoras de pesquisa envolvendo seres humanos. 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 mar 2015.

BERKOWITZ, B. The Community Tool Box. Conducting Focus Groups. 2012. Disponível em: http://ctb.ku.edu/en/table-of-contents/assessment/assessing-community-needs-and-resources/conduct-focus-groups/main. Acesso em: 12 de jan. de 2012.

BROWN, T. Uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias. Design Thinking. São Paulo: Campus. 2010.

BÜRDEK, B. E. História, teoria e prática do design de produtos. São Paulo: Edgard Blücher. 2006.

COUTINHO, S. G. Design da informação para educação. Revista Brasileira de Design da Informação, v.3 -1/2, p. 49-60, 2006.

DALL’AGNOL, C. M.; TRENCH, M. H. Grupos Focais como estratégia metodológica em pesquisas na enfermagem. R. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v.20, n.1, p.5-25, jan., 1999.

FREITAS, R. F. Prevenção às DST/Aids e a recepção das mensagens em meios impressos. 2013. Dissertação de mestrado não publicada. Universidade Federal de Pernambuco, Curso de Pós-Graduação em Design.

GOLDSMITH, E. Research into Illustration: An Approach and a Review. Cambridge University Press, 1984.

LUPTON, E. Intuição, Ação, Criação. Graphic Design Thinking. São Paulo: Gustavo Gili Ltda, 2013.

ROZEMBERG, B. Roteiro para análise de material impresso de educação/comunicação em saúde. Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fiocruz, RJ, 2012.

SILVA, J. F. L.; COUTINHO, S. G. Esquemas gráficos para informar: a Linguagem Gráfica Esquemática na produção e utilização de livros didáticos infantis na cidade de Recife. Anais do 9º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Paulo, 2010.

SPINILLO, C. An analytical approach to procedural pictorial sequences. The University of Reading, London, 2000.

TWYMAN, M. Using pictorial language: a discussion of the dimensions of the problem. In: T. M. Dufty and R. Waller (Eds.) Designing usable texts. Orlando, Florida: Academic Press, p. 245-312, 1985.

WAECHTER, H.N. Um modelo experimental para a observação da recepção de mensagens em meios impressos. Rio de Janeiro: Puc-Rio, Triades, out., 2008.




DOI: https://doi.org/10.35522/eed.v24i1.298

Apontamentos

  • Não há apontamentos.