Design espontâneo e Hibridismos: Artefatos da cidade e artefatos do interior

Marília Riul, Carine Helena Meireles Fernandes de Medeiros, Ana Valéria Barbosa, Maria Cecília Loschiavo dos Santos

Resumo


O design espontâneo é a expressão material das culturas que se manifesta pelas necessidades de uso de artefatos do dia a dia. Essa prática se contextualiza nos diversos habitats humanos, seja nos espaços urbanos ou nos meios rurais. O artigo apresenta objetos concebidos para o autoconsumo nesses dois mundos e os analisa sob o ponto de vista do hibridismo cultural. Em diferentes medidas e naturezas, os dois contextos caracterizam-se pela privação de acesso aos artefatos necessários para facilitar as atividades do cotidiano. Essa carência, articulada à inventividade, dá origem à criação de um rico conjunto de materialidades, com seus diferenciados significados em função dos seus contextos socioculturais e ambientais e dos entrecruzamentos culturais que a permeiam.

Palavras-chave


Design espontâneo, Design vernacular, Hibridismo, Culturas híbridas

Texto completo:

PDF

Referências


ASQUITH, L. & VELLINGA, M. Vernacular Architecture in the 21st Century: Theory, Education and Practice. Londres: Taylor & Francis, 2006.

BARBOSA. A. V. & MEDEIROS. C. H. M. F. A produção e a adaptação de artefatos para interiores em moradias precárias no antigo prédio do IPASE, João Pessoa – PB. Monografia de conclusão de curso. Graduação de Tecnologia em Design de Interiores. Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba. João Pessoa, PB, 2008.

BOUFLEUR, R. N. A questão da gambiarra: formas alternativas de desenvolver artefatos e suas relações com o design de produtos. Dissertação de mestrado. FAU/USP, São Paulo, 2006.

BURKE, P. Hibridismo cultural. Editora Unisinos, Rio Grande do Sul. 2003.

BRANDÃO, L. & PRECIOSA, R. A invenção e a rua: da apropriação/reinvenção de objetos precários. Concinnitas, ano 11, V.2, N. 17, 2010.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2013.

CARDOSO. F. A. Possibilidades de legitimação do design vernacular. Anais do 8° Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, 2008.

DENIS, R. C. Design, cultura material e o fetichismo dos objetos. Arcos, V. 1, p.15-39. 1998.

DIAS FILHO, C. S. Design numa Perspectiva Cultural. Trabalho apresentado no III ENECULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Salvador, Faculdade de Comunicação/UFBA: 2007

DURHAM, E. R. A dinâmica cultural na sociedade moderna. In: DURHAM. Eunice Ribeiro. A dinâmica da cultura: ensaios de antropologia. Org. Omar Ribeiro Thomaz. São Paulo: Cosac Naify. 2004.

FINIZOLA, F. & COUTINHO, S.G. Em busca de uma classificação para os letreiramentos populares. InfoDesign Revista Brasileira de Design da Informação 6 – 2, 2009.

FINKIELSZTEJN, B. Sistemas Modulares Têxteis como aproveitamento de fibras naturais: Uma alternativa sustentável em Arquitetura & Design (Dissertação de Mestrado) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Programa de Pós-Graduação em Artes. Rio de Janeiro, 2006.

FRIEDMAN, K. Theory construction in design research: criteria, approaches, and methods. In: SHACKLETON, J. & DURLING, D. (eds.) Common ground: Proceedings of the 2002 Design Research Society International Conference. Londres, Reino Unido, 5-7 de setembro, p.388-414. 2002.

FUKUSHIMA, N. Dimensão social do design sustentável: contribuições do design vernacular da população de baixa renda. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação em Design. Curitiba, 2009.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro, DP&A, 2005.

MAGALHAES, A. E Triunfo?: A questão dos bens culturais no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira-Fundação Roberto Marinho, 1997.

MARTINS, S. Contribuição ao estudo científico do artesanato. Imprensa Oficial de Minas Gerais. Belo Horizonte, 1973.

MONTERO. Paula. Questões para a etnografia numa sociedade mundial. Novos Estudos CEBRAP, n° 36, P. 147-161-177. São Paulo, 1993.

MORALES, F. S. Diseño e artesanía. In: FERNÁNDEZ, S. & BONSIEPE, G. Historia del diseño en América Latina y el Caribe: Industrialización y comunicación visual para la autonomia. Editora Blücher. São Paulo, 2008.

OLIVER, P. Dwellings: the house across the world. Austin: University of Texas Press, 1987.

PACEY, Philip. 'Anyone designing anything?' Non-professional designers and the history of design. In. Journal of Design History, vol. 5, n.3, 1992, p. 217 - 225.

PAPANEK, V. Arquitectura e design: ecologia e ética. Lisboa: Edições 70, 1995.

PASTORELO, P. D. A cultura material do Vale do Jequitinhonha: um estudo de projeto espontâneo de produto. Projeto de iniciação científica. FAU/USP, 2000.

RAPOPORT. A. Spontaneous settlements as Vernacular design. In: PATTON, C. V. Spontaneous shelter: international perspectives and prospects. Philadelphia: Temple University Press, 1988.

REITAN, J. B. Improvisation in Tradition: A Study of Contemporary Vernacular Clothing Design Practiced by Iñupiaq Women of Kaktovik, North Alaska. Tese de doutorado. Oslo School of Architecture and Design. Oslo, 2007.

RIUL, M. Diálogo entre o design e a produção material popular. Monografia de graduação. Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba. Curso de Tecnologia em Design de Interiores. João pessoa, 2007.

RIUL, M. et al. Sustentabilidade na produção material popular. Anais do II Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica, João Pessoa - PB, 2007.

ROLIM, M. V. Wearable<#>home, a vestimenta como lugar. Dissertação de mestrado. Universidade Anhembi Morumbi. Mestrado em Design. São Paulo, 2009

RUDOFSKY, B. Architecture without Architects: a short introduction to non-pedigreed architecture. Albuquerque: University of New Mexico Press, 1964.

SANTOS, M. C. L. As cidades de plástico e papelão. Tese de Livre-docência. São Paulo, FAU-USP, 2003.

VALESE, A. Design vernacular urbano: a produção de artefatos populares em São Paulo como estratégia de comunicação e inserção social. Dissertação de mestrado. Programa de Estudos Pós-graduados em Comunicação e Semiótica, PUC/SP. São Paulo, 2007.

VIDAL, L. B. & SILVA, A. L. O Sistema dos Objetos nas Sociedades Indígenas: Arte e Cultura. In: SILVA, A. L. e GRUPIONI, L. D. B. (ORG.) A Temática Indígena na Escola. Brasília, MEC/MARI/UNESCO. 1995.

VIERTLER, R. B. Métodos antropológicos como ferramenta para estudos em etnobiologia e etnoecologia. In: AMOROZO, M. C. M.; MING, L. C.; SILVA, S. P. (Org.) Métodos de coleta e análises de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. CNPq, UNESP, 2002.

VIVES, V. A beleza do cotidiano. In: RIBEIRO, B. O Artesão tradicional e seu papel na sociedade contemporânea. FUNARTE/Instituto Nacional do Folclore, 1983.

WALKER, S. A journey in design: an exploration of perspectives for sustainability. The Journal of Sustainable Product Design. N. 2, p. 3-10, Netherlands: Kluwer Academic Publishers, Netherlands, 2002.

WOODHAM, J. M. A dictionary of modern design. New York: Oxford University Press, 2006.




DOI: https://doi.org/10.35522/eed.v23i2.233

Apontamentos

  • Não há apontamentos.